De normalistas a bancárias: Caminhos da profissionalização das mulheres no sul do Brasil (1960-1980)

  • Luciana Carlos Geroleti Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), (Brasil)

Resumen

O presente artigo, resultante de Mestrado em História, trata dos caminhos percorridos por cinco mulheres em duas profissões: a normalista e a bancária. Utilizando a metodologia da História Oral, a pesquisa teve como fonte entrevistas com mulheres que trocaram a profissão de professora pela carreira em bancos públicos entre as décadas de 1960 e 1980. Como se concluiu, a mudança de profissão fez parte de um processo histórico mais amplo que levou muitas mulheres das classes médias no Brasil ao mercado de trabalho, revelando permanências no tocante às tradicionais ocupações femininas.

Palabras clave:

Mulheres, Profissionalização, Normalistas, Bancárias

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Abreu, A. R., P., Hirata, H., e Lombardi, M. R. (2016). Gênero e trabalho no Brasil e França - perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo.

Alves Filho, A. et al (1997). Besc: uma idéia 35 anos depois. Florianópolis: Besc.

Aranha, M. L. A. (1996). A história da educação. 2 ed. São Paulo: Moderna.

Auras, G. M. T. (1997). Modernização econômica e formação do professor em Santa Catarina. Florianópolis: Ed. Da UFSC.

Banco do Brasil. (2012). Mulheres admitidas 1969 a 1990. [mensagem pessoal] Mensagem recebida por em 26 ag. 2012.

Besse, S. K. (1999). Modernizando a desigualdade: Reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo: EDUSP.

Bosi, E. (2003). O tempo vivo da memória: Ensaios de Psicologia social. São Paulo: Ateliê Editorial.

Brasil. (1968). Lei nº 5.473, de 10 de julho de 1968. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/leis/L5473.
Caminha, A. (1982). A Normalista. São Paulo: Ática.

Canedo, L. B. (1986). Bancários: movimento sindical e participação política. Campinas (SP): Ed Unicamp.
Certeau, M. (2008) A invenção do cotidiano:1. Artes de fazer. Petrópolis:Vozes.

Cunha, M. T. S. (2002). Diários Íntimos Memórias de Professores Normalistas. Em M.C.S. Campos e Silva (Org.), Feminização do Magistério: Vestígios do passado que marcam o presente (pp. 123-140). Bragança Paulista: Editora da Cidade de São Francisco.

Dallabrida, N., e Carminatti, C. J. (2007). O tempo dos ginásios: ensino Secundário em Santa Catarina (final do século XIX-meados do século XX). Campinas (SP): Mercado das Letras, Florianópolis: UDESC.

Earp, F. S., e Prado, Luiz C. D. (2009). O “milagre” brasileiro: crescimento acelerado, integração internacional e concentração de renda. En J. L. Ferreira e N. Delgado (Orgs.), O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Vol. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Fanelli, A. G., Gogna, M., e Jelin, E. (1989). El empleo del “cuello rosa” en La Argentina: El caso de um banco estatal. Documento Cedes, 24, (pp. 1-49).

Febraban (2014). II Censo da Diversidade. Recuperado de: https://cmsportal.febraban.org.br/Arquivos/documentos/PDF/Censo%20da%20Diversidade%202014%20-%20Apresentacao%20Final%20-%2003-11-14.pdf

Ferreira, M. M., e Amado, J. (orgs) (1996). Usos e abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Ed. FGV.

Geroleti, L. C. (2017). Moça Bradesco: Gênero, publicidade e carreira em um banco privado brasileiro (1976-1985). Anais do 13º Mundos de Mulheres e Fazendo Gênero 11: transformações, conexões, deslocamentos, Florianópolis/SC,Brasil Recuperado de: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503886993_ARQUIVO_MocaBradescoTextoCompletoFazendoGenero.pdf

Geroleti, L. C. (2013). De normalistas a bancárias: A profissionalização das mulheres nos bancos (1960-1980) (Tese de Mestrado), Universidade do estado de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil. Recuperada de: http://tede.udesc.br/handle/handle/1441

Geroleti, L. C. (2010). Entre a “bela” e a “bancária”: Memórias e representações femininas de mulheres bancárias (Trabalho de Conclusão de Curso de graduação), Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil. Recuperado de: http://sistemabu.udesc.br/pergamumweb/vinculos/000000/00000000000F/00000FB7.pdf

Gomes, A. C. (org.) (2004). Escrita de si, escrita da História. Rio de Janeiro: Ed. da FGV.

Hahner, J. E. (2011). Escolas mistas, escolas normais: A coeducação e a feminização do magistério no século XIX. Estudos Feministas, 19(2), 467-474.

Hahner, J. E. (2003). Emancipação do sexo feminino: a luta pelos direitos da mulher no Brasil: 1850-1940. Florianópolis: Mulheres.

Hollander, A. (1996). O sexo e as roupas: A evolução do traje moderno. Rio de Janeiro: Rocco.

Jinkings, N. (2002). Trabalho e resistência na fonte misteriosa: Os bancários no mundo da eletrônica e do dinheiro. Campinas/SP: Editora da Unicamp; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado.

Karepovs, D. (1994). A história dos bancários: Lutas e conquistas (1923-1993). São Paulo: Sindicato dos bancários e financiários de São Paulo, Osasco e região.

Kossoy, B. (2001). Fotografia e História. São Paulo: Ateliê Editorial.

Lacerda, B., e Nasser, D. (1949). Normalista. [Gravada por N. G.]. Em Normalista/Quem será. Nova York: RCA Victor.

Lagrave, R. M. (1991). Uma emancipação sob tutela: educação e trabalho das mulheres no século XX. Em G. Duby, e M. Perrot [Orgs.], História das mulheres no ocidente: O século XX. Vol. 5. (pp.505-543). Porto: Edições Afrontamento.

Martini, S. M. S. (2011). Mulheres destinadas ao êxito: Trajetórias Escolares e Profissionais de Ex-alunas do Curso Científico do Colégio Coração de Jesus de Florianópolis (1949-1960) (Tese de Mestrado), Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis/SC, Brasil.

Meihy, J. C. S. B. (1996). Manual de história oral. São Paulo: Loyola.

Mello, J. M. C., e Novais, F. A. (1998). Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. Em Schwarcz (Org.), História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. Vol. 4. (pp. 559-658). São Paulo: Companhia das Letras.

Neckel, R. (2004). Pública vida íntima: a sexualidade nas revistas femininas e masculinas (1969-1979) (Tese de Doutorado), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil. Recuperada de: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/111860

Neihring, M. L. Q. (1981). Família e feminismo: reflexões sobre papéis femininos na imprensa para mulheres (Tese de Doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Nora, P. (1993). Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História,10, 7-28.

Passerini, L. (2011). A memória entre política e emoção. São Paulo: Letra e Voz.

Perrot, M. (1989). Práticas da Memória Feminina. Revista Brasileira de História, 18(9), 9-18.

Perrot, M. (1988). Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Petersen, A. T. (1999). Trabalhando no banco: trajetórias de mulheres gaúchas desde 1920 (Tese de Doutorado), Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Portelli, A. (1997). O que faz a história oral diferente. Projeto História, 14, 25-39.

Puppim, A. (1994). Mulheres em cargos de comando. Em C. Bruschini e B. Sorj (orgs.), Novos olhares: mulheres e relações de gênero no brasil (pp. 13-35). São Paulo: Marco Zero; Fundação Carlos Chagas.

Queirolo, G. (2014). O trabalho das mulheres na administração: A construção histórica da desigualdade Buenos Aires 1910-1950. Mouseion, 18,133-147. Recuperado de: https://revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Mouseion/article/view/1680

Reis, M. C. D. (1993). Tessituras de destinos: Mulher e educação. São Paulo: EDUC.

Schmitz, S. (1991). Bancos privados e públicos em SC: A trajetória do BDE (contribuição à história bancária catarinense) (Tese de doutorado), Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Scott, J. (1992). História das mulheres. Em P. Burke (org.), A escrita da história: novas perspectivas (pp. 63-96). São Paulo: UNESP.

Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 16, 73-99.

Segnini, L. (1998). Mulheres no trabalho bancário. São Paulo: Edusp.

Teive, G. M. G. (2008). “Uma vez Normalista sempre Normalista”. Cultura Escolar e Produção de um Habitus Pedagógico (Escola Normal Catarinense – 1911-1935). Florianópolis/SC: Ed. Insular.

Travesso, E. (2007). História e memória. Notas sobre um debate. Em M. Franco e F. Levin [Coords.], História reciente: perspectivas y desafios para un campo em Construción (pp 67-96). Buenos Aires: Paidós.

Woolf, V. (2012). Profissões para mulheres e outros artigos feministas. Porto Alegre/RS: L&PM.
Publicado
2018-06-28
Cómo citar
Carlos Geroleti, L. (2018). De normalistas a bancárias: Caminhos da profissionalização das mulheres no sul do Brasil (1960-1980). Anuario Del Instituto De Historia Argentina, 18(1), e065. https://doi.org/10.24215/2314257Xe065