Ócio e lazer na regulamentação das férias operárias: a OIT e o caso brasileiro na primeira metade do século XX

  • Guilherme Nunes Universidad Federal del Rio Grande del Sur

Resumen

O presente trabalho investiga a legislação acerca das férias em alguns dos países-membros da OIT, e mais especificamente no Brasil. Se buscará compreender como alguns desses países ocidentais trataram do tema e como ele surgiu no Brasil em meados dos anos 1920.


Em um primeiro momento se descreverá a conjuntura na qual surge a OIT e suas resoluções, passando pela aprovação de leis de férias em diversos locais. Em seguida, se estudará a lei no Brasil: primeiro com a apresentação da trajetória da lei no período de sua aprovação até sua primeira reelaboração (1925-1934), e finalmente a luta dos operários para garanti-las.

Descargas

Los datos de descarga aún no están disponibles.

Citas

Araújo, A. M. C. (1994). Construindo o Consentimento: corporativismo e trabalhadores no Brasil dos anos 30 (Tese de doutorado), Unicamp, Campinas, Brasil.

Barreto, A. A. B. (1996). O movimento operário rio-grandense e a intervenção estatal: a FORGS e os Círculos Operários (1932-1935). (Tese de doutorado), UFRGS, Porto Alegre, Brasil.

Carone, E. (1993). A II Internacional pelos seus congressos (1889-1914). São Paulo: Edusp, Anita.

Carone, E. (1989). Classes Sociais e Movimento Operário. São Paulo: Ática.

Carone, E. ( 1977). O pensamento industrial no Brasil (1880 – 1945). São Paulo: DIFEL.

Carone, E. (1974).A Primeira República. São Paulo: DIFEL.

Fortes, A. (2007). Férias pra quê? Revista de História, v. 17, p.30-34 Recuperado de: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/ferias-para-que.

Fortes, A. (2004). Nós do Quarto Distrito: a classe trabalhadora porto-alegrense na Era Vargas. Rio de Janeiro: Garamond.

Gomes, A. C. (2005), A Invenção do trabalhismo (3º ed.). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Gomes, A. C. (1979). Burguesia e trabalho: Política e legislação social no Brasil 1917-1937. Rio de Janeiro: Campus.

Hardman, F. F. (1981). Nem pátria nem patrão: vida operária e cultura anarquista no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Hobsbawm, E. (2000). A formação da cultura da classe operária britânica. En E. Hobsbawm, Mundos do Trabalho: novos estudos sobre História Operária. São Paulo: Paz e Terra.

Horden, F. (1990), Genèse et vote de la loi du 20 juin 1936 sur les congés payés. Le Mouvement social, 150, 19-30. Recuperado de: http://www.jstor.org/stable/3778649.

Karepovs, D. (2006). A classe operária vai ao parlamento: o Bloco Operário e Camponês do Brasil (1924 – 1930). São Paulo: Alameda.

Leuchtenberger, R. (2012). A organização e a atividade das associações de socorro mútuo de Florianópolis – SC (1886-1930). Revista Mundos do Trabalho, 4(7), 57-84. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/mundosdotrabalho/article/view/1984-9222.2012v4n7p57/23294.

Lima, M. A. H. (2005) Legislação e Trabalho em Controvérsias Historiográficas: o projeto político dos industriais brasileiros (Tese de doutorado), Unicamp, Campinas, Brasil.

Martins, C. G. (2000). Revista do Trabalho: uma contribuição para o Direito do Trabalho no Brasil (Tese de mestrado), UFF, Niterói, Brasil.

Munakata, K. (1981). A legislação trabalhista no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Nunes, G. M. (2014). O operariado fabril e a Lei de Férias: a greve de janeiro de 1929 em Porto Alegre. Revista Escritas, 6, 127-152.

Organización Internacinoal Del Trabajo (1952). Convenios y recomendaciones: 1919-1951. Genebra: Albert Kunding.

Pastoriza, E. (2008). El turismo social en la Argentina durante el primer peronismo. Mar del Plata, la conquista de las vacaciones y los nuevos rituales obreros, 1943-1955. Nuevo Mundo. Recuperado de https://nuevomundo.revues.org/36472.

Pinheiro P. S. y Hall, M. M. (1979). A Classe Operária no Brasil 1889 - 1930 – documentos. São Paulo: Alfa Ômega.

Porrini R. (2011). Izquierda uruguaya y culturas obreras. Propuestas al “aire libre”: pic-nics y paseos campestres en Montevideo, 1920-1950”.Revista Mundos do Trabalho,3(6), 105-129.

Porrini, R. (2002). La construcción de una fuerza social: el nacimiento de la nueva clase trabajadora uruguaya en el decenio de 1940. (Tesis de maestría), UDELAR, Montevideo, Uruguay.

Richez, J. y Strauss, L. (1990). Généalogie des vacances ouvrières. Le Mouvement social,150, 3-18. Recuperado de http://www.jstor.org/stable/3778648.

Sirot, S. (1996) Les congés payés en France avant le Front Populaire: l'exemple des ouvriers parisiens de 1919 à 1935.Vingtième Siècle, 50, 89-100.

Santos, J. P. M. (2015). Energia Elétrica e Poder Político. Trabalhadores da Light São Paulo – 1900-1935. São Paulo: expressão Popular.

Souza, S. F. (2007). Coagidos ou Subornados: trabalhadores, sindicatos, Estado e as leis do trabalho nos anos 1930. (Tese de doutorado), Unicamp, Campinas, Brasil.

Thompson, E. P. (2010). Los orígenes de la Ley Negra. Un episodio de la historia criminal inglesa. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores.

Thompson, E. P. (1981). A Miséria da Teoria ou um Planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar.
Publicado
Feb 21, 2017
Cómo citar
Nunes, G. (2017). Ócio e lazer na regulamentação das férias operárias: a OIT e o caso brasileiro na primeira metade do século XX. Anuario Del Instituto De Historia Argentina, 17(1), e033. doi:10.24215/2314257Xe033
Sección
Dossier

Palabras clave

Lei de Férias; Legislação Trabalhista; Greves; Lazer